Imagem: MPCE

Corrupção

Presos integrantes de organização criminosa que fraudavam licitações em contratos de cooperativas de saúde em vários municípios cearenses

O volume de recursos envolvidos no negócio das cooperativas nas cidades citadas é superior a R$ 180 milhões

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), realizou na manhã desta terça-feira, (12/12), a operação “Fagos” em vários municípios cearenses.

Na ocasião, foram feitas cinco prisões de integrantes de uma suposta organizada criminosa. Eles são acusados de fraudar licitações para contratar cooperativas de mão de obra em pelo menos 21 municípios do Ceará.

Também foram cumpridos 20 mandados de busca e apreensão em Fortaleza, Aracoiaba, Caucaia e Maracanaú. Além de Piracuruca, no Piauí.

Os alvos são agentes públicos, empresários e operadores do esquema. Os crimes investigados são organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e outros crimes contra a administração pública.

Na operação, foram apreendidos aparelhos celulares, computadores e outros documentos para investigações.

As investigações partiram em setembro de 2023, após e-mail enviado para o GAECO, denunciando existência de esquema criminoso, que envolvia cooperativas de mão de obra em nome de “laranja”.

Segundo apuração, um grupo controlava cinco cooperativas na área da saúde, que concorriam entre si, fraudando certamentes licitatórios. Os mesmo comandavam as mesmas empresas, inflacionando as cotações de preços, garantindo o maior valor para o contrato.

De acordo com as investigações do Ministério Público, o esquema que duravam pelo menos três anos envolvia os municípios de Acopiara, Aracoiaba, Itapipoca, Boa Viagem, Brejo Santo, Crateús, Forquilha, Guaraciaba do Norte,Ipueiras, Irauçuba, Itapiuna, Jucás, Monsenhor Tabosa, Novo Oriente, Quixeramobim, Salitre, Senador Pompeu, Tabuleiro do Norte, Tejuçuoca, Tururu e Umirim.

O volume de recursos envolvidos no negócio das cooperativas nas cidades citadas é superior a R$ 180 milhões.

WhatsApp
Facebook
Twitter
Telegram